Carros antigos, mais que um hobby, uma paixão

Em 1885, na Alemanha, foi produzido o primeiro veículo motorizado para fins comerciais. Com apenas três rodas, possuía um motor a gasolina e foi batizado de “motorwagen” (carro motorizado), no entanto, foi pelas mãos de Henry Ford, que oito anos mais tarde a invenção passou a ser produzida em larga escala em uma linha de montagem nos Estados Unidos e se popularizou por todo o mundo.

Quase 130 anos depois do “motorwagen”, no Brasil, o carro é sonho de muitos brasileiros, que aquecem o mercado automobilístico nacional com a compra de modelos novos e seminovos, aumentando a demanda e a necessidade de novos modelos.
Mas, há ainda quem procure por modelos antigos. Isso mesmo, antigos e não apenas usados, sendo esta uma grande paixão e motivo de orgulho para quem aprecia modelos de décadas passadas. Estamos falando dos colecionadores .

Apesar da grande paixão por modelos automotivos antigos, não é tão fácil encontrar um, pelo menos em bom estado de conservação. Muitos colecionadores compram carros antigos e os submetem a processos de restauração, o que não é para qualquer pessoa e principalmente para qualquer bolso, pois a restauração de um veículo pode levar de meses a anos e alcançar altas cifras. Mas, para quem é apaixonado pelas raridades, não há esforço e, em muitos casos, valores que os impeçam de ter o tão desejado carro antigo.
Em Inúbia Paulista, uma associação que reúne colecionares de carros antigos de várias cidades da região, a CCANAP (Clube do Carro Antigo da Nova Alta Paulista), tem catalogado entre seus integrantes algumas raridades que em suas épocas áureas foram odesejo de muitas pessoas.

O presidente da entidade, Edélcio Pedro Martello, de Parapuã, mantêm em sua garagem quatro modelos que são o seu orgulho. Um Ford F-100, ano 1960; um Jeep Wiilis, ano 1950; um Vespa, ano 1960 e um Volkswagen Fusca ano 1993. A sua última aquisição foi um Volkswagen Variant, ano 1970, que encontra-se em processo de restauração.
“Quando adquiri o veículo ele estava em estado ruim de conservação, então decidi restaurá-lo e devolvê-lo o maior número possível de traços originais da época de sua fabricação”.

Martello é colecionador há pelo menos 13 anos e desde então possuiu outros modelos, de marcas e anos diferentes. “A internet tem sido grande aliada nas busca por modelos antigos. Sempre estou à procura de carros, então acesso sites especializados em compra e venda destes tipos de veículos”, finaliza.
Também membro da CCANAP, mais que isso, vice-presidente da entidade, Tladmir Wiltson Ferrara, popularmente conhecido por Tradão, é outro apaixonado por carros antigos, e assim como Martello também é colecionador.
Em sua chácara, em Parapuã, Tradão guarda algumas relíquias motorizadas e que exigem cuidados especiais para mantê-los impecáveis.

Sua coleção é composta por oito exemplares: um Galaxie LTD e um MP Lafer, ambos ano 1977; um Jeep Willis e uma Pick-up Jeep Willis, ano 1963; um Gurgel, ano 1992.
De todos, talvez o que mais se destaca seja um Lincoln LCS, ano 1992, já que Tradão garante que existem poucas unidades no país.
“Este é uma carro raro no Brasil. Até onde sei, além do meu, outros três circulam pelas ruas do Brasil. Um deles, se não me engano, pertence ao apresentador e empresário Silvio Santos”, diz.

O colecionador ainda tem um Puma GTB S1 e S-100, que passam por restauração.
Mas nem só pelos carros antigos é o interesse desse colecionador. Tradão ainda tem duas motos antigas, as chamadas lambretas, que também são restauradas.
“Se tem roda e motor, pra mim está valendo, sou um apaixonado não só por carros, mais sim por veículos automotores antigos em geral”, finaliza.

Em Adamantina, outro colecionador, apesar de não se considerar um, tem em sua garagem seus xodós, que recebem frequentemente todos os zelos necessários para manterem suas originalidades. Antonio Frizão, ou apenas Toninho, atualmente é proprietário de quatro modelos antigos. O empresário é apreciador de veículos antigos desde a infância, mas foi a partir da década de 1990, que passou a adquirí-los e mantê-los. Nas duas últimas décadas, Toninho acredita ter sido proprietário de pelo menos 20 unidades, que ao longo dos anos foram vendidos ou trocados por outros modelos.
“Quando desejo algum outro modelo, vendo algum carro meu para comprar outro. Apesar da dificuldade de encontrar carros antigos, o mercado de compra e venda está aquecido, a procura é grande”, explica.

Toninho, também faz parte da CCANAP. Junto com os demais membros, participa frequentemente de eventos especializados em carros antigos em várias cidades paulistas, inclusive em locais mais distantes, como em outros estados. “Quase toda semana estou em um evento diferente, onde geralmente levo os meus carros e os exponho com outros veículos antigos de vários proprietários. É sempre muito bom, pois tenho a oportunidade de conhecer apreciadores de carros antigos e ver outros modelos”, diz.
Uma curiosidade dita pelo colecionador, trata-se de uma Volkswagen Kombi, ano 1975, que foi restaurada e vendida para um colecionador alemão. “Após a restauração, mantive a Kombi comigo por algum tempo e então fizeram uma boa oferta pelo carro e resolvi vendê-lo. Lembro que o levei até o porto de Santos e de lá foi despachado para a Alemanha de navio, junto com o comprador”, explica.

Outro adamantinense que encontrou nos carros antigos um hobby, diz que ter um era vontade da época de sua juventude e que depois de ter condições financeiras resolveu realizar seu sonho.
José Rivarolli Filho, o “Zeca do Posto”, começou a adquirir carros antigos há 10 anos e desde então colecionou raridades, que sempre chamaram a atenção pelas ruas da ‘Cidade Joia’.

Apesar da grande paixão, atualmente Zeca tem apenas dois veículos antigos, o que não diminui o prestígio de ser um colecionador e o interesse.
Por ser proprietário de um dos postos de combustíveis mais tradicionais da cidade, é comum Zeca ir ao trabalho com um de seus carros, por isso, tornou-se quase que rotina curiosos adentrarem o estabelecimento só para ver de perto os veículos, se atentando aos detalhes.

Zeca mantêm um Galaxie LTT, ano 1997, em perfeitas condições de uso, que se destaca pela cintilância de sua pintura, prateada. O outro veículo, um Karmann Ghia, ano 1968, chama atenção pela cor vermelha, assemelhando-se a tradicional cor da sonhada Ferrari. Atualmente, o veículo é restaurado. “Espero que em breve, possa voltar a andar com meu Karmnn Ghia”, diz.
Diferente dos outros colecionadores, Zeca participa esporadicamente de eventos, de preferência aqueles que acontecem em localidades mais próximas.

Combustível
Antigos ou novos, para funcionar os carros precisam de um item básico – o combustível. Independente de ser etanol, gasolina ou diesel, a procedência é requisito necessário para o bom funcionamento do veículo, e no Auto Posto Cocipa (Cooperativa de Consumo de Inúbia Paulista), os clientes encontram produtos de qualidade sem pagar mais por isso.
Com mais de 1.800 m2 de área construída, três ilhas de abastecimento com seis bombas totalizando 28 bicos, com serviços de troca de óleo e lava rápido automatizado, o Posto Cocipa conta também com ampla conveniência e completa loja de acessórios.

VOX
VOX

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

vox@gimpacto.com.br - 18 3522 1199 - Rua Euclides da Cunha, 4 - Centro, Adamantina - SP – CEP 17800-000