Cozinheiro de mão cheia

Cozinhar é uma arte. Exige planejamento, organização e ousadia. São três ingredientes indispensáveis a quem se aventura no desafio de surpreender mediante o estímulo imediato dos sentidos, junto àqueles que se sentam ao redor da mesa, com os quais são compartilhados os experimentos gastronômicos.

Da cozinha, o aroma do preparo dos pratos aguça os sentidos do olfato e da visão. Ao degustar, o paladar é imediatamente provocado a confirmar as expectativas alimentadas pelo cheiro e pela observação.

Indiscutivelmente, a sugestão culinária de Paulo Renato Peres, à VOX, está aprovadíssima! A repercussão de todos os sentidos, somados ao prazer, à boa conversa e à celebração cotidiana da vida, compõem o melhor prato, que alimenta e inspira.

Paulo Renato Peres recebeu nossa equipe no apartamento onde vive com sua esposa Margareth Garcia Lopes, em Adamantina. Como entradas ele preparou berinjelas e tomates grelhados e gratinados no forno, com cream cheese e pesto de azeitona azapa. E como prato principal, um delicioso Fettucine com cogumelos shitake e funghi hidratados em vinho. Para acompanhar, tornedor de filé mignon grelhado no azeite e manteiga (receita ao lado).

 

Receitas para viver bem

 

Paulo Renato Peres carrega como referência, na arte de cozinhar, a avó paterna, que tinha o desafio de preparar as refeições para ela, o marido e os sete filhos do casal. Para dar conta da grande família que havia formado, a avó convocava os próprios filhos – entre os quais seu pai e seus tios – para ajudar nas tarefas.  O núcleo familiar era em Presidente Venceslau. Depois, seus avós mudaram-se para Mato Grosso do Sul, em busca de novas oportunidades.

Além do contato com os avós paternos e de seus familiares, aprendeu muitos pratos observando amigos e por meio da internet, mas, reconhece que a aptidão veio principalmente do seio familiar.  Era dos avós, das reuniões de família de final de ano, onde todos cozinhavam e, principalmente, observando seu pai conduzindo a administração da cozinha, que nasceu a inspiração para cozinhar também.

Pauto Peres faz questão de destacar que cozinhar é um hobby. Faz isso para seu prazer e daqueles com os quais convive, onde se inserem a esposa Margareth, o filho Pedro – filho de anterior casamento – familiares e amigos. O prazer ganhou dedicação exclusiva, entre os hobbys, depois que deixou de praticar tênis em razão de lesões em sua coluna e, de ter deixado de andar de moto em virtude de ter sofrido acidente no ano de 2009, fato este que o desestimulou a pilotar.

Paulo ainda destaca três referências na sua vida: sua mãe, que mora hoje em Presidente Venceslau, seu filho que reside e estuda fora, e a esposa Margareth, a quem declara ter surgido para dar cor à sua vida. “Meu filho é o meu maior tesouro e, com certeza, o melhor presente de Deus. Margareth, o colorido da minha vida”, destaca.

Em 2015 Paulo perdeu o pai, acometido por uma doença grave que evoluiu rapidamente até sua morte, e desde então exercita diariamente a superação da perda, com apoio e orientação da doutrina espírita.

 

 

Uma vitória recente foi parar de fumar, no final do primeiro trimestre deste ano, um vício que começou aos 14 anos de idade. Junto com ele, Margareth também abandonou o cigarro.

 

Cozinha que conecta pessoas

 

Paulo Renato Peres relata que, assim como a grande maioria das pessoas, vive diariamente uma sobrecarga de responsabilidades na profissão, que exige constante raciocínio, desgaste e cansaço.

Ele vê, na somatória de todos esses fatores, a necessidade de realinhamento da vida e canalização dos esforços àquilo que faz bem. Nesse aspecto, o ato de cozinhar surge como um alívio. “O dever deve ser efetuado primeiramente ao lazer. Contudo, as obrigações são necessárias e os prazeres são essenciais”, pondera.

Na TV, assiste e se inspira nos programas de culinária, e se inscreveu duas vezes para o programa Master Cheff (Band).  Aprende pratos novos, reproduz as receitas, faz novas adaptações e cria suas próprias propostas.

Na sociedade, é membro do Lions Clube de Adamantina, e associando seu hobby culinário aos serviços comunitários, orgulha-se em cozinhar quando é escolhido, para os internos do Lar dos Velhos, no Dia dos Pais e Dia das Mães. Engaja-se também na Noite de Massas, atividade que encerra a programação do Outubro Rosa e Novembro Azul, cuja renda é direcionada à Casa de Apoio aos doentes com câncer, para moradores de Adamantina em tratamento na cidade de Jaú.

Entrada | Berinjela gratinada com ervas

– 1 berinjela grande e 5 tomates grandes, cortados em espessura de 1 cm.

– 200 gramas de creem cheese

– 10 azeitonas chilenas Azapa (em pesto)

– Tempero: Azeite, pimenta do reino, sal, ervas e vinagre.

 

Tempere a berinjela com os temperos. Numa frigideira teflon, grelhe com azeite primeiramente as berinjelas e, posteriormente os tomates, reservando. Distribua em assadeira em forma de torre. Em seguida, com a ponta de uma colher, aplique o cream cheese e o pesto de azeitonas chilenas azapa. Para preparar o pesto, pique minimamente as azeitonas e misture azeite. Leve a assadeira ao forno por 20 minutos, polvilhando parmesão nos últimos 5 minutos, quando então deverá ser ligado o grill do forno para gratinar.

Prato principal | Fettucine ao funghi e shitake com tornedor

– 400 g de filé mignon para a massa

– 1 kg de filé mignon para acompanhamento

– 150 g de cogumelo shitake desidratado

– 150 g de cogumelo funghi desidratado

– ½ copo de molho de soja

– ½ copo de saquê

– 250 ml de vinho tinto para hidratar cogumelo

– 150 ml de vinho gastronômico

– 3 dentes de alho

– 2 cebolas médias picadas

– 2 colheres de manteiga

– sal e pimenta à gosto

– 500 gramas de macarrão fettuccine

– 500 ml de creme de leite fresco

 

Por cerca de 1h30, hidrate os cogumelos shitake e funghi com vinho e água morna. Corte o filé em pedaços mínimos, picotados na faca até que fiquem com aspecto de carne moída, reservando. Depois de hidratados, corte os cogumelos em tiras.

Aqueça uma frigideira grande com azeite e doure o alho e cebola. Despeje os cogumelos e deixe apurar, até grudar. Acrescente o saquê e o vinho gastronômico, e deixe deglacear. Depois, acrescente o molho de soja e mantenha no fogo. Por fim, despeje o creme de leite fresco, reduzindo por 5 minutos. Reserve.

Em paralelo, comece a fritura do filé mignon tornedor, previamente temperado com sal, pimenta do reino, alho e azeite. Use uma frigideira e nela, também acrescente azeite e manteiga. Inicie em seguida o cozimento do fettuccine.

Em uma pequena frigideira, aqueça porções individuais dos cogumelos com creme de leite e deposite porções da massa. Monte pratos individuais com o filé mignon tornedor.

(Serve 6 pessoas)

 

Sem comentários

Responder

Seu email não ficará visível.

vox@gimpacto.com.br - 18 3522 1199 - Rua Euclides da Cunha, 4 - Centro, Adamantina - SP – CEP 17800-000