O Paraíso das Borbulhas

A chegada do final do ano é a época propícia para apreciar um saboroso e refrescante espumante, o vinho do charme e da elegância, que transforma qualquer encontro em uma ocasião especial.

Espumantes são vinhos que contêm boa quantidade de gás carbônico dissolvido, responsável pela efervescência da bebida, pela liberação de bolhas e pela formação de espuma na superfície da taça.

Quanto menores forem as bolhas e quanto mais durarem na taça, melhor será o vinho.
Os espumantes são popularmente chamados de champanhe, contudo, somente os vinhos produzidos na região de Champagne, na França, podem ostentar esse título no rótulo. Os demais recebem outras denominações, dependendo da origem, como o Cava, na Espanha, o Prosecco, na Itália ou simplesmente espumante nas demais regiões do mundo.

Devem ser apreciados bem refrescados para se aproveitar todo aroma e sabor, para isso coloque num balde com bastante gelo e água por cerca de 1 hora, ou então, coloque no congelador por cerca de 45 minutos.

Para preservar as bolhas a rolha não deve ser estourada, pois o estouro libera muito gás, diminuindo os aromas e sabores da bebida. Para evitar que isso ocorra, libere a rolha suavemente, segurando a garrafa e girando a rolha devagar até provocar um suspiro silencioso. É mais charmoso e mais romântico.

A casta mais importante na produção de espumantes é a uva branca chardonnay. Quando o espumante é produzido exclusivamente com uva branca é chamado de Blanc de blancs, quando é feito com mistura de uvas tintas é denominado de Blanc de noirs e quando é rosé, foi produzido com a mistura de vinhos brancos e tintos.

Os espumantes não são feitos para envelhecer e normalmente não são safrados, uma vez que são misturas de vinhos de diferentes safras. Somente quando em determinado ano se tem uma colheita excepcional é que se produz vinhos safrados, chamados de vintage, e, nesse caso, os preços podem ser estratosféricos.

CLASSIFICAÇÃO

Os espumantes recebem classificações em razão do teor de açúcares totais, expresso em gramas de glicose por litro. A classificação não é universal, portanto cada país adota um critério, embora semelhantes.

O açúcar que o vinho apresenta é produzido naturalmente pela fermentação da uva e é chamado de açúcar residual. Quanto menor a quantidade de açúcar residual, mais seco será o vinho. O enólogo é que decide em que momento ela deseja interromper a fermentação, de acordo com a classificação do vinho que deseja produzir. A escala começa pelo nature, que é o espumante com menor teor de açúcar e o mais seco, passando pelo extra-brut, brut, sec ou seco, demi-sec ou meio-seco e doce. Quando não se está acostumado a tomar espumantes, aconselha-se a começar pelos mais doces, até chegar aos mais secos, que são os mais saborosos.

HARMONIZAÇÃO

Os espumantes harmonizam-se muito bem com frutos do mar, peixes leves e carnes brancas. Os espumantes doces combinam bem com sobremesas, como torta de nozes, panetones e rabanadas. Se na ceia do final de ano a opção for por um único vinho, do começo ao fim, a escolha certa é um espumante.

AVALIAÇÃO:

O top dos espumantes são os champanhes, mas a opção poderá recair sobre um nacional.

Os espumantes nacionais já adquiriram credibilidade e fama no mercado internacional, abocanhando vários prêmios. Ademais, os nacionais apresentam ótima relação qualidade/preço, podendo-se encontrar bons exemplares entre R$ 50,00 a R$ 80,00.

Minha dica, entretanto, é de um nacional um pouco mais sofisticado. O Espumante 130 da Casa Valduga, Brut, produzido pelo método tradicional (como os champanhes), com as uvas chardonnay (branca) e pinot noir (tinta), de safras diferentes e tradicionais. É um espumante complexo, fino e elegante.

Na taça exibe cor palha esverdeada, perlage intensa, bolhas pequenas e duradouras. No aroma apresenta notas cítricas, de mel e de fermento. No paladar é seco, cremoso, com ótima acidez, final longo e equilibrado.

QUANTIDADE
Sirva uma pequena quantidade, um dedo aproximadamente, espere baixar a espuma e complete com no máximo dois terços da taça. Isso ajuda a resfriar o fundo da taça, onde se formam as borbulhas, obtendo-se melhor persistência delas.

TEMPERATURA
6º a 9º C

TAÇA
Flute, de cristal ou vidro transparente. Evite taças coloridas que não permitem o exame visual da bebida.

ONDE COMPREI
Cocipa (Inúbia Paulista) R$ 119,40

Silvio Grabosky
Silvio Grabosky

Apreciador de Vinhos

Ainda não há comentários

Deixe uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado.

vox@gimpacto.com.br - 18 3522 1199 - Rua Euclides da Cunha, 4 - Centro, Adamantina - SP – CEP 17800-000

Você está navegando offline